aRede aRede aRede
aRede
SindServ apresenta propostas para acabar com a greve

Ponta Grossa

13 de junho de 2018 14:54

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Lojas MM figura no ranking das 1000 Maiores Empresas do Brasil

Ambev busca fornecedores parceiros em PG

Prefeitura de PG abre concurso para professores

Empresas de PG poderão comprar armas para Guarda Municipal
Colégio Militar abre processo seletivo para professores
Colégio Vila Militar Cescage inaugura sede em PG
Canil da PM faz apresentação no Hospital da Criança
Servidores lotaram a galeria do Legislativo Municipal/Imagem: Kauter Prado / CMPG
PUBLICIDADE

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais (SindServ), Leovanir Martins, usou a tribuna do Legislativo Municipal para apresentar uma contraproposta ao governo de Marcelo Rangel (PSDB). Leovanir afirmou que os servidores abrem mão da reposição salarial de 2,76% nos meses de maio e junho, com o início de pagamento no mês de julho. Além disso, os servidores apresentaram outros três pontos condicionantes da contraproposta.

O segundo deles é que não haja desconto nos dias de falta daqueles servidores que aderiram a greve – o Sindicato fala em 1,8 mil pessoas nos piquetes, o Poder Executivo afirmou que houveram pouco mais de 672 ausências no ponto biométrico. O terceiro ponto é que se crie uma emenda à uma lei municipal garantindo um indexador geral para reajuste de salário dos servidores.

O quarto ponto é o mais polêmico: os servidores propõem que o Governo crie um indexador para o número de cargos comissionados. Dessa forma, o Poder Executivo só poderia criar um número de cargos comissionados que represente, no máximo, 2,5% do número dos funcionários de carreira. Atualmente o município tem mais de 8,5 mil servidores e essa indexação representaria cerca de 207 cargos de confiança disponíveis.

Na visão de Martins, a medida “ajuda” ao Governo no sentido de que os servidores abrem mão do reajuste por dois meses, enquanto o Poder Executivo assume pagar a data base em julho – a gestão de Marcelo Rangel (PSDB) propôs pagar o reajuste apenas em setembro, por conta da situação financeira.  “Essa é uma forma que os servidores encontraram de se sacrificar para acabar com greve e dar condições do Governo de pagar o reajuste”, disse Martins.

A estimativa do Sindicato é que o reajuste represente um gasto adicional de R$ 930 mil por mês. Por outro lado, a indexação (controle) do número de comissionados é uma “solução”, na visão de Leovanir. “Todo ano de eleição esse tema [número de cargos comissionados] entra em discussão e provoca desgaste ao prefeito. Essa lei de indexação acabaria com o problema, estaria na lei, simples”, defendeu o sindicalista.

Câmara se comprometeu a devolver recursos

Com o intermédio da Mesa Executivo, os vereadores de Ponta Grossa tem buscado encontrar um ‘meio termo’ na discussão entre Prefeitura e servidores. Com isso, a Câmara de comprometeu a devolver cerca de R$ 6 milhões do orçamento do Legislativo que seriam usados na construção de um prédio anexo ao Legislativo. “Isso é fruto do esforço e da economia de todos os vereadores”, disse Sebastião Mainardes (DEM), presidente da Casa de Leis. No entanto, de acordo com a gestão de Marcelo Rangel (PSDB) a devolução já era aguardada e será usada no pagamento da segunda parcela do 13º salário dos servidores.

Sindicato nega motivação política

Durante o uso da tribuna da Câmara, Leovanir Martins ressaltou que o movimento dos servidores não tem “partido político”. “Nosso partido político é nosso reajuste salarial, um direito moral do trabalhador. Queremos deixar isso muito claro para fazer com que a greve não sirva de palanque para esse ou aquele candidato ou político. Nós também não queremos ser usados”, afirmou o presidente do Sindicato. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização