aRede aRede aRede
aRede
Câmara devolverá recursos para pagamento de R$ 13º salário

Ponta Grossa

12 de junho de 2018 17:31

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Lojas MM figura no ranking das 1000 Maiores Empresas do Brasil

Ambev busca fornecedores parceiros em PG

Prefeitura de PG abre concurso para professores

Empresas de PG poderão comprar armas para Guarda Municipal
Colégio Militar abre processo seletivo para professores
Colégio Vila Militar Cescage inaugura sede em PG
Canil da PM faz apresentação no Hospital da Criança
Mainardes ressaltou que obra é necessária, mas será postergada mais uma vez/Imagem: Kauter Prado / CMPG
PUBLICIDADE

O presidente da Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG), Sebastião Mainardes (DEM), se reuniu com o prefeito Marcelo Rangel (PSDB) na tentativa de encontrar uma solução para a greve dos servidores municipais – as paralisações foram deflagradas na última segunda-feira (11). O presidente do Legislativo se comprometeu a abrir mão de reformas e obras que estavam previstas na Câmara para devolver recursos à Prefeitura na ordem de R$ 6 milhões - esses recursos seriam utilizados no pagamento da segunda parcela do 13º salário dos servidores. Por sua vez, a Prefeitura defende que a devolução desses recursos já "era esperada" e, dessa forma, não contribuiria com a solução financeira para a paralisação.

A obra citada por Mainardes (DEM) é a construção do anexo da Câmara, orçada em cerca de R$ 6 milhões – a medida é uma reivindicação antiga e ganhou importância depois que o número de vereadores saltou de 15 para 23 em 2013, trazendo uma sobrecarga a estrutura administrativa do Legislativo. Durante a reunião, o procurador geral, Marcus Freitas, e o secretário de Fazenda, Claudio Grokoviski, expuseram dados da situação financeira do município.

“O Executivo nos explicou que só teria condições de arcar com a data-base a partir de setembro”, lembrou Mainardes. Com isso, o presidente e uma comitiva de 10 vereadores optaram por cancelar a obra que seria licitada nas próximas semanas – com isso, o Legislativo poderia devolver o recurso à Prefeitura no final do ano. Na prática, a Câmara tem um orçamento anual na casa dos R$ 24 milhões, mas usa cerca de R$ 18 milhões, 75% dos recursos.

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais (SindServ), Leovanir Martins, acredita que apenas essa devolução de recursos daria conta de arcar com a reposição inflacionária de 2,76% dos servidores - consideração questionada pelo Governo. “A concessão do reajuste custaria cerca de R$ 930 mil por mês, isso nos quatro meses que o Governo diz que não consegue pagar resulta em R$ 3,72 milhões. Dessa forma ainda sobraria dinheiro”, opina Martins.

Mainardes ressaltou que a reunião entre vereadores e Governo foi realizada após pedido do Sindicato. “Queremos viabilizar um acordo em prol da cidade”, disse Mainardes. Segundo o presidente da Câmara, os dados expostos pelo secretário de Fazenda e pelo procurador geral mostram que, caso a Prefeitura conceda o reajuste imediatamente, poderiam faltar recursos para o pagamento de salário no mês de dezembro de 2018.

Outro lado

‘Sobra’ no orçamento sempre foi aguardada

O Legislativo Municipal tem o orçamento definido pela Constituição Federal e representa 4,5% do orçamento do Poder Executivo. No entanto, em Ponta Grossa, nos últimos anos a Câmara tem devolvido recursos constantemente ao Poder Executivo com o intuito de contribuir com o caixa da Prefeitura. “Em 2017, por exemplo, nossa devolução ajudou a pagar o 13º salário dos servidores da Saúde”, lembra o vereador Sebastião Mainardes. “Na prática eles [Prefeitura] sempre esperam a devolução destes recursos”, explica.

Formalização

De acordo com Leovanir Martins, para que a greve seja encerrada o Sindicato aguarda a formalização de uma nova proposta da Prefeitura. “Nós cobramos a reposição inflacionária de forma imediata”, explicou o sindicalista. Com a formalização, a proposta seria exposta e avaliada em assembleia da categoria.

Inadimplência e queda na arrecadação prejudicam a Prefeitura

A Prefeitura de Ponta Grossa, representada pelo prefeito Marcelo Rangel (PSDB) e parte do secretariado, explicaram aos membros do Legislativo sobre as condições das finanças da Prefeitura. O município vem enfrentando dificuldades no cumprimento de suas metas orçamentárias, em decorrência do alto índice de inadimplência e a queda de outras receitas.

Em 2017, Ponta Grossa deixou de receber R$ 60 milhões do não pagamento de IPTU e Coleta de Lixo. Em 2018, nos seis primeiros meses do ano, a inadimplência já chega a R$ 25 milhões. Além da inadimplência, a Prefeitura também vem precisando adaptar seu orçamento em decorrência de outras perdas de receita, como a redução nos valores de ICMS e ISS, em decorrência do período sem produção e comercialização durante a paralisação dos transportes. Na primeira semana de junho, o valor de ICMS recebido pelo Município foi de apenas um terço da previsão.

O prefeito Marcelo Rangel (PSDB) reforçou que é por conta destes fatores, somado à instabilidade econômica enfrentada por todos os municípios brasileiros, que a administração “não tem condições de realizar neste momento o reajuste dos servidores, com a reposição da inflação do período”. A sobra de orçamento da Câmara de Vereadores, indicada nesse momento no valor de R$ 6 milhões, já é historicamente utilizada pelo Município para compor o pagamento da 2ª parcela do 13º salário no final do ano, quando a receita do Município tende a cair ainda mais.

A Prefeitura de PG segue “comprometido com o reajuste dos servidores, mas está trabalhando com responsabilidade, fazendo uma proposta que está dentro de suas possibilidades financeiras”, informou o município em nota. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização