aRede aRede aRede
aRede
Procuradoria tenta evitar sequestro de R$ 22 milhões

Ponta Grossa

10 de janeiro de 2018 17:04

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Professor da UEPG ganha prêmio em Congresso na China

Professoras de PG estão na final do ‘Agrinho’

CPS intensifica oferta de pavimentação nos bairros

PM prende suspeito de furtos em Ponta Grossa
PG sanciona lei para vender imóveis e pagar INSS
Vítima flagra furto e detém ladrão em Oficinas
PG comemora Dia da Árvore com ações no Parque Ambiental
/Imagem: Cristiano Barbosa
PUBLICIDADE

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG), através da Procuradoria Geral do Município, em parceria com a Secretaria Municipal de Fazenda, informou via assessoria de imprensa que está tomando as medidas judiciais e administrativas cabíveis para evitar o sequestro de valores e a inscrição do Município no Cadastro de Entidades Devedoras Inadimplentes (Cadin), fruto da decisão tomada pelo Tribunal de Justiça e divulgada pelo portal aRede.

A Prefeitura infirmou que em 2016 foi realizado o depósito judicial para pagamento de aproximadamente R$ 8 milhões, referentes a dívida de precatório do Município. O Executivo argumentou ainda que até dezembro de 2016, o pagamento dos precatórios em Ponta Grossa atendia a Emenda Constitucional 62/2009, que possibilitava que os municípios realizassem o pagamento de precatórios com valores que não superassem 1,5% da Receita Corrente Líquida do Município, um percentual viável para o orçamento de Ponta Grossa.

Entretanto, em 15 de dezembro de 2016, a Emenda Constitucional 94 determinou que os precatórios devessem ser quitados até 2020. Para isso, o município teria que dispender cerca de R$ 2 milhões ao mês, superando o valor anual de R$ 24 milhões. Esse valor representa 4,5% da Receita Corrente Líquida do Município, inviável financeiramente no orçamento municipal.

Entre os meses de agosto a novembro de 2017, foi depositado mensalmente 1.5% da Receita Corrente Líquida, equivalente a R$ 800 mil mês. A Emenda Constitucional 99/2017, que prevê a quitação dos valores devidos em precatórios até dezembro de 2024, é posterior a decisão do desembargador e altera o efeito modulador desses pagamentos.

Procurador defende mecanismos para quitar dívidas

“Recebemos essa notificação com muita tranquilidade e já estamos trabalhando com as medidas cabíveis e a prestação de todas as informações ao Tribunal de Justiça e ao Tribunal Regional do Trabalho. Não estamos inertes a esta questão, desde 2013 já foram pagos aproximadamente R$ 24 milhões dessa dívida. Em fevereiro estaremos no TJ para discutir qual o valor mensal a ser pago pelo Município, após o efeito modulador da Emenda 99. Continuamos ainda trabalhando com outras estratégias, como a venda de terrenos públicos, a Lei de Compensação e outras fontes de renda para quitar estes valores”, avalia o Procurador Geral do Município, Marcus Freitas.

As informações são da assessoria. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização