aRede aRede aRede
aRede
Mortes de imigrantes no Mediterrâneo chegam a quase 1,5 mil

Cotidiano

21 de julho de 2018 19:32

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Mulher morre ao fazer preenchimento no bumbum

Batida entre quatro carros deixa cinco feridos na BR-376

Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores

Príncipe Harry e Meghan Markle anunciam gravidez
Atiradores invadem casa, matam o dono e ferem esposa e quatro filhos
Papa proclama Oscar Romero e Paulo VI novos santos da Igreja Católica
Bancada feminina cresce, mas recebe parentes de políticos tradicionais
Foto: Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Mês de junho ainda registra o maior número de mortes dos últimos quatro anos.

As mortes de imigrantes e refugiados tentando ingressar na Europa pelo Mar Mediterrâneo chegaram a 1.490 neste ano, até o último dia 18, informou a Organização Internacional para as Migrações das Nações Unidas (OIM-ONU). O número é menor comparado a igual período de 2017, quando morreram 2.382 pessoas. A organização também registrou redução na entrada de imigrantes na Europa. Em 2018, até 18 de julho, foram 51.782. Em 2017, foram 110.189 imigrantes e em 2016, no mesmo período, 244.722.

Apesar da redução, no mês de junho, a rota pelo Mediterrâneo central que une a Itália com o norte da África registrou o maior número de mortes dos últimos quatro anos. Em junho de 2018, 564 imigrantes desapareceram nas águas dessa rota entre o Norte da África e a Sicília. Em 2017, foram 529 mortes em junho. Em 2016, 388 casos. Neste mês, até o dia 18, foram registradas 153 mortes.

As chegadas pela Espanha (18.653) superam a entrada pela Itália (17.838), neste ano. A entrada pela Itália caiu mais de 80% em comparação com o mesmo período do ano anterior (93.359).

O número de imigrantes irregulares (3.136) que chegaram à Itália pelo mar em junho deste ano foi o mais baixo registrado pelas autoridades italianas desde 2014.

A Itália adotou uma política para dificultar a chegada de imigrantes. O país decidiu fechar os portos às embarcações das organizações não governamentais (ONGs) que salvam vida de imigrantes no mar.

Informações da Agência Brasil.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização