aRede aRede aRede
aRede
Júri do caso ‘Chico Bala’ é adiado pela Justiça

Campos Gerais

16 de abril de 2018 14:21

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Bairros de Telêmaco podem ficar sem agua na terça

Castro já utiliza o prontuário eletrônico na Saúde

Carros batem e mulher morre atropelada na região

Hospital de TB será referência para 200 mil pessoas
Levantamento mostra recuperação do emprego
Arrecadação cresce 10% e supera R$ 2,8 bilhões
Documento traça cenário do emprego pós-crise nos Campos Gerais
Álvaro Adriano Vriesman, conhecido como “Chico Bala”, foi morto em 2015/Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

O juiz titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, acatou pedido da defesa e cancelou o julgamento de Gisele de Fátima Kordel e Cleberson Bruno Galvão, o qual estava designado para ter início nesta terça-feira (17), às 09h00, na Cidade de Curitiba.

Os réus Cleberson Bruno Galvão e Gisele de Fátima Kordel, são acusados pelo Ministério Público da morte de Álvaro Adriano Vriesman, conhecido como “Chico Bala”, fato que ocorreu no dia 15 de fevereiro de 2015, por volta das 22h30, em via pública, na Rua Brigadeiro Franco, esquina com a Avenida Iguaçu, nas proximidades do Hospital Pequeno Príncipe, na Cidade de Curitiba.

Segundo a denúncia Cleberson Bruno Galvão, vulgo ‘Bruno’, agindo a mando da denunciada Gisele de Fátima Kordel, efetuou disparos de arma de fogo contra a vítima Álvaro Adriano Vriesman, causando-lhe os ferimentos descritos no laudo de necropsia que lhe causaram a morte.

O Ministério Público sustenta que uma das motivações do crime, seria a possibilidade dos autores receberem um seguro de vida do qual a denunciada Gisele, esposa da vítima, seria beneficiária.

Outra motivação também financeira consistiu no fato da denunciada Gisele, em proveito também do denunciado Cleberson, poder usufruir da administração de todos os bens do casal, patrimônio bastante substancial. Portanto, a motivação do crime é torpe, consistente na finalidade de obter indevida vantagem patrimonial.

O advogado Fernando Madureira encarregado da defesa de Gisele Kordel informou que o julgamento foi adiado face a impossibilidade do comparecimento de uma testemunha que seria imprescindível para o esclarecimento dos fatos.

Madureira disse que o julgamento não deve demorar para ser remarcado considerando que o réu Bruno está preso. A acusada Gisele aguarda o julgamento em liberdade.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização