Vereador de PG pede investigação sobre funcionamento de empresa

Ponta Grossa

06 de agosto de 2018 18:54

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Cescage realiza ação para coleta de mechas de cabelos

Rapaz ameaça pai com facão e acaba preso

Operação detém dupla por perturbação do sossego

Flanelinha leva pedrada de ladrão de carro
Homem é preso por golpe ao mentir sobre doença do irmão
Ladrões cercam vítima e rouba motocicleta
Ônibus bate em caminhão e deixa cinco feridos
Foto: Imagem: Kauter Prado / CMPG
PUBLICIDADE

Jorge da Farmácia (PDT) apresentou denúncia na tribuna da Câmara sobre possíveis irregularidades na Master Cargas

O vereador Jorge da Farmácia (PDT) levou nesta segunda-feira (6) à tribuna da Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) uma denúncia sobre o funcionamento da empresa Master Cargas – segundo os documentos apresentados pelo parlamentar, a companhia que trabalha com a logística de companhias como a Crow, Cargill e Tetra Pak estaria funcionando de forma irregular. Jorge contou a reportagem do Jornal da Manhã e do portal aRede que os documentos foram entregues a ele de forma anônima.

A reportagem teve acesso aos documentos que também foram enviados ao Ministério Público. Neles um empresário afirma (de forma anônima) que procurou a Prefeitura de Ponta Grossa em 2016 com a intenção de instalar uma empresa no Distrito Industrial e buscou informações sobre como proceder legalmente nesse sentido. No entanto, a mesma área que teria sido doada a esse empresário também foi doada a Master Cargas.

Ainda de acordo com o documento, a Master Cargas realizou a construção de um barracão nessa mesma área sem a apresentação do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), necessário para qualquer construção acima de 1 mil M² - a falta do EIV teria emperrado a iniciativa do empresário que denunciou a situação. O portal aRede e o JM entraram em contato com o Ministério Público e a assessoria do promotor Marcio Dantas confirmou que recebeu a documentação, mas destacou que não teve tempo hábil para analisa-la.

Na Câmara, Jorge da Farmácia destacou que a situação deve ser acompanhada pelo Legislativo Municipal e sugeriu a abertura de uma Comissão Especial de Investigação (CEI) para apurar o caso – Jorge ocupa o cargo de primeiro secretário e por isso não pode ser autor do pedido de criação da CEI. “Temos que acompanhar de perto essa situação e saber se não existem outros casos semelhantes no Distrito Industrial”, explicou.

Posicionamento da Prefeitura

A Prefeitura Municipal informa que há uma notificação com prazo corrente para que a empresa cumpra o instaurado no referido documento, que solicita o atendimento ao disposto no Código de Obras; caso o prazo não seja atendido, serão tomadas as medidas cabíveis determinadas pela legislação municipal.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede