aRede aRede aRede
aRede
Rottas aplica mais de R$ 19 mi em residencial

Ponta Grossa

12 de julho de 2018 20:55

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

ABOPG realiza 22º Congresso Internacional de Odontologia

Tríduo prepara festa de Senhora Sant’Ana

Projeto 'Férias na Biblioteca' inicia na segunda

Ciclista morre em acidente no Jardim ‘Los Angeles’
Obras da Sanepar afetam abastecimento em 12 vilas
Ação no Muffato oferece produtos abaixo de R$ 0,99
Festa de Santo Antônio segue até o final da tarde
/Foto: sergio duze
PUBLICIDADE

A região do Bairro Chapada ganhará um novo empreendimento habitacional. Idealizado pela empresa curitibana Rottas Construtora e Incorporadora, o ‘Condomínio Residencial Porto Sabiá’, como foi batizado, está sendo construído ao lado da Vila Borato, com o acesso feito pela rua Sabiá. Enquadrado na categoria de habitação popular, será financiado pela Caixa Econômica Federal (CEF), com recursos do Programa do Governo Federal, Minha Casa Minha Vida. O investimento estimado pela empresa para a construção do empreendimento é superior a R$ 17 milhões, que passa dos R$ 19 milhões se somado com o valor da aquisição do terreno. Seu lançamento oficial, com o início da comercialização, ocorrerá nos próximos dias. 

Projeto do tipo residencial fechado, serão construídas 369 residências. A área total do terreno é de 79,2 mil m², dos quais, 17,9 mil m² serão de área construída. A área privativa será ocupada por 49,1 mil m², e outros 17,7 mil m² serão ocupados por vias de circulação. O somatório das áreas de lazer, cinco no total, ofertadas aos novos moradores do empreendimento, somam 9.427,97 m², o equivalente a 11,89%. Nelas haverá campo de areia, quadra poliesportiva, piscina, salão multiuso, academia ao ar livre, parquinho, bosque, praça, entre outros atrativos. Da área verde de quase 3 mil m², cerca de 70% será ocupada por uma Área de Preservação Permanente. 

Esse é o primeiro projeto da empresa em Ponta Grossa, que também já desenvolve outro, na região do Contorno Leste: o Porto Olívia, com dimensões um pouco menores, com quase 230 unidades habitacionais, ao lado do Núcleo Quero-Quero. O presidente da Rottas, Paulo Folador, revelou que o grupo se interessou em investir em Ponta Grossa devido ao alto potencial da cidade. “A economia promissora e a mão de obra qualificada chamaram a nossa atenção; hoje já temos três empreendimentos previstos para cá”, antecipou. 

As unidades terão área de aproximadamente 47 m², com dois ou três dormitórios, um banheiro, área de serviço, varanda, sala de estar, circulação e cozinha. No fundo, os moradores terão um terreno de até 30 m². Durante a fase de implantação, deverão ser geradas entre 50 e 70 vagas de emprego diretas. O prefeito Marcelo Rangel exaltou o empreendimento, pelo fato de que qualquer projeto habitacional acaba fomentando a economia do município. “Todas as vagas de emprego geradas na obra e a compra de materiais de construção, por exemplo, refletem no desenvolvimento de todo o município”, ressalta.


Empresa investiu cerca de R$ 500 mil em ligação de bairros

Na manhã desta quinta-feira (12) foi realizada a entrega da ligação interbairros  entre Santa Luzia e Borato, localizada no bairro Chapada. A melhoria foi uma das medidas mitigadoras instauradas pela Lei de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) referente ao Condomínio. Contemplando sistema de drenagem e pavimentação asfáltica, a obra liga as ruas Sabiá e Andorinha e foi inteiramente executada pela iniciativa privada. O investimento da construtora foi de cerca de R$ 500 mil.

O EIV é coordenado pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Ponta Grossa (Iplan), e o presidente do órgão, Ciro Ribas, lembra da otimização da malha viária da região com a nova ligação. “Com essa contrapartida do empreendimento aproveitamos para desafogar o tráfego da Avenida Souza Naves, desviando o trânsito diretamente até a trincheira da Ernesto Vilela”, explica o presidente do Iplan.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização