aRede aRede aRede
aRede
Prefeitura de PG quer evitar novos bloqueios bancários

Ponta Grossa

15 de maio de 2018 16:05

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

CCR RodoNorte leva teatro para municípios do Paraná

Prefeitura divulga resultado de provas de concurso em PG

München deste ano será no Parque Ambiental

UEPG recebe propostas da comunidade indígena
Homem mexe no que não deve e revolta mulheres
Ação de ladrões deixa crianças sem aula em PG
IMM capacita servidores da Prefeitura de PG
PUBLICIDADE

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) buscará um mandado de segurança para evitar novos bloqueios na conta corrente. Na semana passada, a Receita Federal sequestrou R$ 2,6 milhões em recursos da conta do Executivo voltada para o FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e a decisão da Justiça prevê que os sequestro aconteça mensalmente, não necessariamente no mesmo valor. O bloqueio foi oriundo da cobrança da dívida que o Poder Executivo tem com o recolhimento de INSS (Instituto Nacional da Seguridade Nacional) que passa da casa dos R$ 160 milhões.

Em uma coletiva convocada pela Prefeitura contou com a participação do secretário de Fazenda, Claudio Grokovoski, e do procurador-geral do município, Marcus Freitas. A dupla destacou uma série de ações para evitar novos bloqueios e também para reorganizar as contas do município após o sequestro – as lideranças destacaram o alto nível de inadimplência dos munícipes com impostos devidos à Prefeitura que só em 2018 é superior a 30%.

Mesmo considerando legalmente válida, Grokoviski e Freitas destacaram que o valor sequestrado não é compatível com a realidade financeira da Prefeitura. “Fomos pegos de surpresa pelo bloqueio feito na semana passada, por sorte tínhamos uma reserva financeira e conseguimos arcar com os compromissos financeiros agendados sem maiores problemas”, contou o secretário da Fazenda.

Já Marcus Freitas lembrou que o município também quer que a Justiça leve em conta o prédio construído em 1999 pela Prefeitura e que hoje está orçado em mais de R$ 13 milhões – o local abriga a sede do Instituto em Ponta Grossa. “Queremos que o valor atualizado do prédio seja abatido no cálculo. Concordamos que a dívida existe, mas acreditamos que o prédio deve ser compensado no valor cobrado”, explicou Freitas.

Segundo Claudio, atualmente o município recolhe mais de R$ 7 milhões em INSS mensalmente – cerca de R$ 2 milhões são retidos na fonte, direto na folha salarial dos servidores e outro montante cabe à Prefeitura, a chamada cota patronal. “A cota patronal é de cerca de R$ 5 milhões, temos depositado 60% dela diante da capacidade financeira da Prefeitura atualmente”, contou Grokoviski.

PGM deve tentar mandado de segurança até sexta

Na prática, a Procuradoria Geral do Município (PGM), comandada por Marcus Freitas, deverá impetrar com um mandado de segurança suspendendo o sequestro mensal de R$ 2,6 milhões até a próxima sexta-feira (18), junto à Justiça Federal. “Caso esses bloqueios continuem mensalmente, vários serviços essenciais da Prefeitura poderão ser prejudicados. O valor bloqueado não é compatível com a realidade financeira do município em 2018”, explicou Freitas.

O procurador defende que no âmbito do judiciário primeiro seja abatido o valor do prédio que sedia o INSS e em seguida que se faça um acordo para o pagamento “dentro da realidade financeira da Prefeitura”. Na visão de Freitas, a falta de adimplência por parte dos contribuintes com os impostos municipais, entre eles o INSS, também prejudica a capacidade de pagamento da Prefeitura.

Inadimplência prejudica capacidade financeira

A dívida do município em INSS já foi parcelada várias vezes – atualmente existem quatro convênios de parcelamento vigentes, todos em dia de acordo com o município. Além disso, o Executivo também já renegociou dívidas com a Copel e a Sanepar, por exemplo. No entanto, a capacidade financeira da Prefeitura em arcar com os compromissos financeiro é prejudicada pela inadimplência dos munícipes: de acordo com a Secretaria de Fazenda, mais de R$ 20 milhões deixaram de ser pagos em impostos apenas em 2018.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização