aRede aRede aRede
aRede
Vigilante acusado de homicídio espera absolvição

Ponta Grossa

21 de abril de 2018 18:18

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

IML identifica casal que morreu afogado em represa de PG

Delegação do Operário chega em PG durante a tarde

Colisão entre caminhões atrapalha trânsito na BR-376

Homem é levado ao Pronto-Socorro após acidente
Mulher se afoga, marido tenta salvá-la e morre também
Documentário Salvando Risos é lançado na CCR
Controladoria implanta sistema para orientação das entidades
PUBLICIDADE

Acusado de participar de um homicídio e uma tentativa de execução no dia 7 de maio de 2016, na estrada do Alagados, o ex-vigilante Jessé Carlos de Almeida será julgado pelo Tribunal do Júri de Ponta Grossa no dia 8 de maio. Na época do crime, Jessé e o colega Ivan Carlos Rodrigues foram apontados como membros de uma milícia e teriam sido responsáveis pela morte de Jean Ricardo Kriezewski, 20 anos, e pelo homicídio tentado contra um adolescente. As vítimas teriam arrombado um carro na região do Sabará.

Em entrevista exclusiva enviada ao Portal aRede, o acusado confessou ter atirado no adolescente, mas disse que agiu para defender o amigo das agressões e ameaças de morte que ele vinha sofrendo. Foragido da Justiça há mais de um ano, Jessé afirmou ter mudado de cidade devido a ameaças e contou que não se entrega porque não sobreviveria na Cadeia Hildebrando de Souza.

Em setembro de 2016, quase dois meses depois do caso, a Polícia Civil prendeu o colega de Jessé e outro funcionário de uma empresa de segurança privada. As prisões aconteceram após a investigação sobre o achado do corpo de Jean na estrada do Alagados. O cadáver havia sido achado pelo dono de uma chácara. Os policiais foram até o local e, próximo da estrada, encontraram o corpo do adolescente, ainda com vida.

Um dos vigilantes presos foi solto depois que Jessé se apresentou e confessou ter acompanhado Ivan até o San Martin, na madrugada do dia 7 de maio de 216. Jessé foi ouvido pelos investigadores e liberado na sequência. Dias depois, um mandado de prisão foi expedido contra ele e o então vigilante fugiu.

Ao Portal aRede, o acusado contou detalhes de como tudo aconteceu e disse não ter conhecimento de Ivan carregava uma arma naquela madrugada. Segundo ele, a intenção da dupla era apenas ‘dar um susto’ nas vítimas, que teriam assaltado e agredido Ivan. A inquérito policial e o Ministério Público confirmaram que Jessé atirou na orelha do adolescente, enquanto Ivan executou Jean com um tiro na cabeça.

A Justiça descartou a formação de grupo de extermínio, já que apenas duas pessoas participaram da ação. Os crimes de sequestro e tortura também foram excluídos da acusação. O ex-vigilante será julgado por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e que impossibilitou a defesa da vítima) e tentativa de homicídio.

Absolvição

Em relação ao júri, Jessé espera ter o mesmo destino que o seu colega. Em agosto do ano passado, Ivan foi absolvido de todos os crime pelo júri. Por quatro a três votos, os jurados entenderam que o vigilante possuía motivos para suficientes para matar Jean. Isso porque, além de ser assaltado, agredido e ameaçado, as vítimas teriam invadido a sua casa. A inexistência de antecedentes criminais também contribuíram para a absolvição. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização