aRede aRede aRede
aRede
Câmara aprova doação de áreas no Parque de Confecções

Ponta Grossa

16 de abril de 2018 19:32

Afonso Verner

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Câmeras de segurança ajudam a encontrar autor de furto

Imagens mostram estiagem na represa do Alagados

Em PG, dupla atira contra adolescente e foge

Loja especializada em moda universitária inicia atividades em PG
Casa abandonada pega fogo na Vila Marina em PG
Universitários encontram aliança de ouro em bolo de Santo Antônio
Motorista colide em poste na Paula Xavier e abandona veículo
/Imagem: Kauter Prado / CMPG
PUBLICIDADE

A efetiva criação do Parque de Confecções de Ponta Grossa tem tomado os primeiros contornos legais e práticos. Nesta segunda-feira (16), o Poder Executivo sancionou duas leis que autorizam a doação de terrenos no local e, além disso, a Câmara de Vereadores aprovou outros três projetos que tratam do mesmo objeto: doação de terrenos no Parque de Confecções que tem a criação discutida desde o governo do agora ex-prefeito, Pedro Wosgrau (PSDB).

As duas leis sancionadas pelo Poder Executivo sobre o tema tratam a doação de um terreno de 2.193,40m² para a empresa Fernando Brasil Soares & CIA e outra área de 1.954,84 m² para a companhia nominada como Saimon Daniel Jansen ME. A primeira empresa se comprometeu a criar no mínimo 30 empregos diretos e investir R$ 800 mil no imóvel que será construído, enquanto a segunda companhia terá que criar 35 empregos diretos e investir R$ 160 mil no imóvel.

As leis sancionadas que garantem a doação das áreas também preveem que os terrenos serão retomados pela Prefeitura caso as obras nos respectivos locais não comecem em 180 dias, ou caso a obra não termine em dois anos ou ainda caso o imóvel tenha o fim destinado a outra atividade que não a criação de empregos. Além das duas sanções, outros três projetos semelhantes ganharam aval dos vereadores.

Um deles trata da doação de área de 1.791 m² no Parque a empresa Richardt & Rochardt, com previsão de investimento mínimo de R$ 500 mil e criação direta de 30 vagas de emprego; Outra doação prevê que a empresa A. M. Jansen receba um terreno de 1,4 mil m², invista R$ 160 mil e crie, ao menos, 45 postos de empregos diretos. Por fim, outro projeto aprovado prevê a doação de um terreno de 1,2 mil m² a empresa Luciane Aparecida Klimeck com previsão de criar 13 empregos diretos e investir R$ 150 mil no local.

Na tribuna da Casa de Leis, o vereador Rudolf Polaco (PPS), líder do Governo na Câmara, defendeu a importância das doações. “Esse é um projeto que se arrasta por muito tempo e agora o prefeito Marcelo Rangel tem realizado esforços em efetivar esse importante passo na industrialização da cidade”, contou o parlamentar. O investimento total no Parque é estimado em mais de R$ 2,5 milhões.

A expectativa é que outros dois projetos sobre doações de áreas entrem em discussão ainda nos próximos dias. Os vereadores Guiarone (PROS) e Celso Cieslak (PRTB) que costumam solicitar vistas de projetos do tipo, não pediram a retirada das iniciativas.

Mão de obra carcerária causa polêmica

Durante a sessão, o único ponto controverso diz respeito a adoção de mão de obra carcerária no Parque de Confecções. Rudolf Polaco (PPS) defendeu a medida como “importante para reinserção em sociedade” – ele é autor de projetos que tratam da presença de detentos em serviços municipais. Já João Florenal (PODEMOS) destoou e criticou. “Sou contra o uso de mão de obra carcerária. Tem muita mãe de família passando necessidade e as detentas deveriam trabalhar dentro da cadeia”, disse Florenal.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização