aRede aRede aRede
aRede
Professora representa UEPG em oficina por teleconferência

Ponta Grossa

16 de abril de 2018 12:17

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Saiba como ficará o clima em PG durante a semana

PG debate lei que prevê placas em esquinas perigosas

Chuva e excesso de velocidade causam acidentes na BR-376

Bandidos invadem fazenda na região do Boa Vista
Caso de vandalismo altera atendimento da Sanepar nesta segunda
Homem de PG comete suicídio em festa familiar
Acidente no centro de PG deixa cinco pessoas feridas
Ana Cláudia Rodrigues Chibinski, tratou de tema relacionado à Odontologia Minimamente Invasiva e Tratamento Restaurador Atraumático (ART)/Foto: Divulgação Foto:
PUBLICIDADE

A teleconferência ocorreu no âmbito das atividades de capacitação desenvolvidas dentro da Rede Paranaense de Atenção à Saúde Bucal do Estado

A professora doutora do Departamento de Odontologia da UEPG, Ana Cláudia Rodrigues Chibinski, tratou de tema relacionado à Odontologia Minimamente Invasiva e Tratamento Restaurador Atraumático (ART), no âmbito das atividades de capacitação desenvolvidas dentro da Rede Paranaense de Atenção à Saúde Bucal do Estado, na sexta-feira (13 de Abril), na sede da III Regional de Saúde – Ponta Grossa (Rua Doutor Paula Xavier, 743 – Vila Estrela). O evento de saúde teve organização através da coordenação de saúde bucal na pessoa de Erika Feller. A professora Ana Cláudia representou a UEPG na teleconferência que teve na organização também a Secretaria de Estado da Saúde.

Como relata Ana Cláudia a teleconferência foi transmitida em tempo real para todas as regionais de saúde do Paraná, ou seja, 22 regionais que abrangem todo o Estado. Participaram da atividade cirurgiões-dentistas que atuam na Rede Pública de Saúde dos mais de 300 municípios do Paraná. A Rede de Atenção à Saúde Bucal busca estimular a promoção da saúde, prevenção e o controle das doenças bucais, com ações de educação permanente dos profissionais da área, objetivando a melhoria do atendimento aos cidadãos paranaenses de todas as idades.

Conceitos Contemporâneos

Por este contexto, busca-se a implantação de uma filosofia de tratamento odontológico condizente com os princípios da Odontologia Minimamente Invasiva e Tratamento Restaurador Atraumático para controle da doença cárie, que foi o objeto principal da videoconferência, segundo Ana Cláudia. A videoconferência dividiu-se em dois momentos. Na manhã da sexta-feira, os profissionais foram capacitados a respeito da Odontologia Minimamente Invasiva e Tratamento Restaurador Atraumático (ART). A professora ressalta que a ideia central desses conceitos contemporâneos da Odontologia é tentar paralisar a progressão da doença cárie por métodos não invasivos ou minimamente invasivos.

A professora explica que no tratamento restaurador atraumático são associados métodos de controle de cárie não invasivos, como controle de dieta e higiene e fluorterapia a restaurações atraumáticas (quando já existem lesões cavitadas de cárie) e selantes ART. “A partir da remoção parcial e seletiva de dentina cariada, podemos realizar a restauração da cavidade e promover a remineralização da dentina afetada mantida na cavidade”. Desta forma, evitam-se os desgastes desnecessários de tecido dental e a necessidade de tratamentos odontológicos mais complexos, como endodontias e até mesmo exodontias.

Durante a manhã, Ana Cláudia conta que foram apresentados aos presentes os referenciais teóricos e casos clínicos com acompanhamento longitudinal de pacientes tratados nessa modalidade de tratamento restaurador. Quando salienta que se trata da linha de pesquisa na qual trabalha nos cursos de mestrado e doutorado em Odontologia da UEPG, ela posiciona que o momento possibilitou apresentar aos profissionais presentes à sua experiência pessoal como pesquisadora e dentista clínica dentro da Odontologia Minimamente Invasiva.

Restaurações ao Vivo

Para a tarde, houve um workshop de restaurações atraumáticas e selantes ART. Nesta dinâmica, a professora realizou as restaurações ao vivo e em tempo real, demonstrando em dentes extraídos toda sequência das etapas envolvidas na condução desses procedimentos. Paralelamente, em cada uma das regionais, os profissionais também acompanharam os passos descritos e realizaram as restaurações em modelos previamente preparados por eles. Nesta etapa, segundo Ana Cláudia, a preocupação foi treinar os profissionais e desenvolver as habilidades necessárias para a correta execução do procedimento.

Durante todo o tempo, houve interação com os profissionais que participaram da ‘workshop’. Eles puderam realizar perguntas e ‘tecer’ comentários, numa interação entre as regionais e a professora. Nessa atividade, ocorreu também a participação de Mayara Gevert, aluna do doutorado em Odontologia da UEPG. “O que se observa na literatura científica ao redor do mundo é que a implantação do Tratamento Restaurador Atraumático é capaz de modificar o atendimento odontológico em serviço público, ampliando o número de pacientes que recebem atendimento”.

Eficaz e Abrangente

Por ser uma técnica que não exige equipamentos sofisticados ou materiais caros, de acordo com Ana Cláudia, não requer modificações nos serviços para sua implantação e tem uma característica bastante interessante: “é um tratamento inclusivo, que pode ser indicado em dentes decíduos e permanente, em pacientes infantis, adolescentes e adultos, em pacientes portadores de necessidades especiais e idosos”. Desse modo, como acentua a professora, se constitui em um tratamento facilmente aplicado no serviço público.

Não exige investimento financeiro alto para ser aplicado, apenas investimento em capital humano – e a capacitação que já vem sendo feita pela Secretaria de Saúde, como ressalta Ana Maria. “Devemos mudar os paradigmas do modelo ultrapassado de Odontologia, que visava simplesmente a restauração de cavidades, com um ciclo restaurador repetitivo. O modelo agora proposto é mais eficaz e abrangente, ou seja, ao invés de restaurações, vamos tratar a doença cárie, controlando os fatores que influenciam na progressão e desenvolvimento das lesões”.

Saúde Bucal em Rede

Como um dos maiores projetos lançados no Paraná, a Rede de Atenção à Saúde Bucal visa garantir mais qualidade, eficiência e eficácia nos serviços públicos da área. O programa estende benefícios aos 399 municípios paranaenses. A rede mantém parceria com as universidades estaduais de Ponta Grossa (UEPG), Maringá (UEM), Londrina (UEL) e Oeste do Paraná (Unioeste) que recebem recursos do Estado direcionados a obras, equipamentos e oferta de cursos de capacitação para dar suporte aos profissionais da odontologia dos municípios.

A Rede preocupa-se em fortalecer a integração ensino-serviço e oferecer capacitação aos profissionais em saúde bucal, a exemplo de cirurgiões dentistas, técnicos e auxiliares de saúde bucal. Com lançamento em 03 de abril de 2014, em Londrina (PR), o evento que iniciou a trajetória da Rede Paranaense de Saúde Bucal e contou com a presença de mais de 800 pessoas, entre representantes dos municípios e universidades, e dirigentes de entidades ligadas à odontologia.

Mudar Conceito

A visão da Rede está em mudar o conceito da assistência à saúde, feita de forma pontual e isolada, para o de atenção à saúde em que o sentido “cuidador” é fortalecido. Os trabalhos da Rede visam a estimular a promoção da saúde, prevenção e o controle das doenças bucais, a partir de um modelo de gestão articulado com as demais áreas governamentais - e a sociedade civil.

Trata-se de iniciativa com bases definidas que traz em seus resultados o trabalho estratégico desenvolvido pela Secretaria de Estado da Saúde, em sua preocupação em investir na educação permanente dos profissionais da área. Nesta atenção, o objetivo é a melhoria do atendimento aos cidadãos paranaenses de todas as idades.

Informações Assessoria de Imprensa UEPG

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização