aRede aRede aRede
aRede
Estudantes denunciam assédio dentro da UEPG

Ponta Grossa

09 de março de 2018 15:06

Stiven de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Cipauto obtém reconhecimento ‘Padrão A’ entre concessionárias

Mercado imobiliário de PG registra crescimento de 3,7%

Prefeito assina repasse para Condomínio do Idoso de PG

Campanha Amores da Acipg entrega 40 vales-compras
Centro de PG vai receber 'semáforos inteligentes'
Homens desmaiam dentro de tanque de óleo vegetal
Mulher leva cão para passear de ônibus e usuários reagem
PUBLICIDADE

Os dois campus da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) foram 'inundados' por cartazes com assédios e frases machistas. A polêmica é que elas teriam sido ditas por professores de diferentes cursos durante as aulas. 

Os cartazes foram afixados por membros do Diretório Central dos Estudantes (DCE) nesta quinta-feira (8), em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. A estudante do 3º ano de Serviço Social, Jayne Thayla, é coordenadora geral do DCE e conta que a ação começou a ser organizada na semana passada, pelas redes sociais. "Nós fizemos uma enquete no Facebook e reunimos estas frases. Na quarta-feira (7), fizemos uma oficina de cartazes e ontem (quinta) colocamos eles nos dois campus", diz. 

O nome dos professores que teriam dito as frases não foi divulgado nos cartazes. Mas, segundo o DCE, os cartazes foram colocados nos corredores dos blocos aonde os casos de assédio e machismo teriam ocorrido. 

A manifestação causou reações diversas dentro da UEPG. Alguns dos cartazes foram arrancados, amassados e jogados nos corredores. "O nosso objetivo incomodar e mostrar como nós nos sentimos incomodadas diariamente com estas frases", afirma Jayne. 

A reportagem do Jornal da Manhã e Portal aRede procurou a reitoria para comentar o caso. Por assessoria de imprensa, a UEPG informou que manifestação é livre dentro dos campus. Já sobre casos de assédio, a instituição disse que, caso haja alguma situação aonde o aluno se sinta incomodado, ele pode procurar a Ouvidoria da universidade ou a Ouvidoria Geral do Estado. "Também e temos a Coordenadoria de Assistência e Orientação ao Estudante (CAOE). A partir das denúncias, nós instauramos um procedimento para apurar eventual assédio moral", informou. 

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização