aRede aRede aRede
aRede
Quatro empresas de PG exportam mais de R$ 330 mi

Ponta Grossa

12 de janeiro de 2018 20:24

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

PG terá curso de media training e oratória para empresários em junho

Em PG, homem fica em estado grave após levar três facadas

UEPG suspende atividades na próxima semana

Ponta Grossa segue sem transporte coletivo
Prefeitura de PG busca manter serviços básicos
Aulas seguem suspensas na segunda-feira
PM prende suspeito de assalto a cartório
/Louis Dreyfus. A soja e seus diversos derivados foram os produtos mais exportados em 2017 | Foto: Cristiano Barbosa
PUBLICIDADE

Ponta Grossa tem três empresas entre as 20 maiores exportadoras do Estado. Mais de 50 empresas venderam produtos ao exterior. Unidade da Louis Dreyfus foi a que mais exportou em 2017


O número de empresas exportadoras cresceu em Ponta Grossa no ano de 2017. Informações reveladas pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços apontam que 56 unidades industriais ou de serviços fizeram negócios com outro países no ano passado, somando R$ 4,53 bilhões. Em 2016, foram 53 empresas. Na liderança está a Louis Dreyfus Company (LDC), multinacional do setor do agronegócio que escalou três posições em relação ao ano anterior, para ocupar o posto de maior exportadora de Ponta Grossa, com mais de R$ 330 milhões (acima de US$ 100 milhões) em produtos enviados ao exterior. Na sequência aparecem outras duas unidades ligadas ao agronegócio, também do complexo soja: Cargill e Bunge.

Os valores exatos exportados não são divulgados pelo Ministério, pelo sigilo fiscal empresarial. Porém traz a classificação por categorias, divididas por faixas de valores (US$ 1 milhão, US$ 5 milhões, US$ 10 milhões US$ 50 milhões e US$ 100 milhões). As quatro maiores unidades industriais exportadoras, que também inclui a Biosev, na quarta posição, enviaram mais de US$ 100 milhões para outros países (mais de R$ 330 milhões, com base na conversão do dólar a R$ 3,314, no último dia de cotação do ano). As três primeiras (LDC, Cargill e Bunge) estão entre as 200 maiores exportadoras do Brasil, e entre as 20 principais do Paraná. O principal destino foi a China.

Três unidades industriais exportaram entre US$ 50 milhões e US$ 100 milhões: a Tetra Pak, a Cofco e a Cargill. Tendo em vista que essa segunda unidade da Cargill ocupa a sétima colocação municipal, e que a outra planta já citada é a segunda, com valores próximos aos registrados pela Louis Dreyfus no ranqueamento nacional (138 para a LDC e 146 para a Cargill), por empresas em si, somando todas as operações na cidade, a Cargill provavelmente é a maior exportadora de Ponta Grossa. A primeira empresa genuinamente ponta-grossense, fundada na cidade, é a Águia Sistemas de Armazenagem, que aparece na 15ª colocação local e na 2.406ª nacional, com quase US$ 10 milhões em produtos exportados.  

Dagoberto Bernini, gerente da Unidade Ponta Grossa da Cargill, confirma que o ano foi bastante positivo para a empresa na cidade, com uma elevação de 15% no recebimento de soja em relação a 2016, em função da ‘supersafra’. Como tivemos um volume de recebimento maior, tivemos que exportar mais, pois a capacidade da nossa indústria já está no limite de utilização. Dessa forma, exportamos todo o volume que aumentamos no recebimento”, informou. Ele relata que quando observa-se um aumento nas exportações de derivados óleo e farelo, isso se dá pelo fato de que nem todas indústrias estavam utilizando 100% de sua capacidade e, com uma ‘supersafra’, houve aumento da utilização. “Como o mercado interno não pode absorver toda esta produção, aumentou-se as exportações”, acrescenta. A planta de processamento de soja, inaugurada em 1973, possui 200 funcionários.

 

Multinacionais

A LDC, que possui a unidade em Ponta Grossa com maior volume de negócios com o exterior, exalta as características da cidade, que possibilitam os resultados alcançados nas exportações. “A cidade de Ponta Grossa tem grande relevância para a operação da Louis Dreyfus Company (LDC) no Brasil. Sua localização privilegiada permite ganho logístico considerável pela proximidade ao Porto de Paranaguá, que tem se destacado como uma referência por sua operação organizada e eficiente”, informou, em nota, revelando constantes investimentos para melhorias operacionais. Já a Bunge, maior exportadora do agronegócio brasileiro, destaca a presença na cidade há mais de 40 anos. “Estamos presentes em Ponta Grossa desde 1973, produzindo e gerando empregos em nossas unidades industriais e contribuindo significativamente para a balança comercial da região”, relatou, em nota.


Diversificado: Número de empresas exportadoras pode ser ainda maior 

O rol de empresas instaladas em Ponta Grossa que exportam é bastante amplo. Além das quatro primeiras, ligadas ao agronegócio, há indústrias dos mais diversos ramos de atuação que enviam produtos produzidos ou beneficiados na cidade para o exterior. A quinta maior exportadora, por exemplo, é a Tetra Pak, que produz embalagens, setor ao qual também pertencem a Crown e B.O. Packaging. Há empresas, também do setor automotivo (Continental, Itaflor e DAF), madeireiro (Arauco, LP, Madeirix, Job, TW Brasil, entre outras), de bebidas (Heineken), alimentício (Masterfoods e Madero), ferramentas elétricas (Makita), eletrodomésticos (Braslar), químico (Allnex, Harima, AP Winner, entre outras), metalúrgico (Águia, Schiffer, entre outras), de carpetes (Belgotex), gráfico (Imprima Aqui), entre outros.

Mesmo com essa grande diversidade, o secretário de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, Paulo Carbonare, reconhece que esse número poderia ser ainda maior – afinal, são mais de 40 mil empresas registradas em Ponta Grossa. “A falta da cultura exportadora não é um problema de Ponta Grossa, mas sim do Brasil – e essa cultura está impregnada no empresariado. Exportação gera ICMS para o município, valor agregado, desenvolvimento econômico e empregos e renda”, diz, afirmando que uma das metas da secretaria, neste ano, será trabalhar com a educação empreendedora focada em exportação, através de um programa que qualifique os empresários.


Klabin é a maior exportadora da região dos Campos Gerais 

Embora Ponta Grossa corresponda a mais de 50% de todas as exportações da região dos Campos Gerais, a unidade industrial que foi a maior exportadora dos 26 municípios da regional está em Ortigueira. É a fábrica de celulose da Klabin (Unidade Puma), que registrou, em 2017, o primeiro ano ‘fechado’ de produção, e enviou para o exterior cerca de R$ 1,4 bilhão em produtos. Foi a sétima maior exportadora do Estado do Paraná, e a 85ª maior do Brasil. 

No Paraná, a Renault foi a maior exportadora, ocupando a 11ª posição nacional. No Brasil, 399 unidades de empresas comercializaram mais de USS 100 milhões em produtos para outros países. Na região dos Campos Gerais foram 159 unidades de empresas, instaladas em 24 cidades, que exportaram, enquanto que no Brasil esse número chegou a 25.059.

Depois da Unidade Puma, da Klabin, aparecem as quatro primeiras fábricas ponta-grossenses. Na sexta colocação está a última entre as que exportaram mais de US$ 100 milhões, a Unidade Monte Alegre da Klabin, em Telêmaco Borba. Na sequência aparecem as outras duas ponta-grossenses, e, depois, fecham a lista, a Braspine (9ª), de Jaguariaíva, e a Braslumber (10ª), de Telêmaco Borba. A Cooperativa Castrolanda é a 12ª maior exportadora da região.


Pos. Empresa                                                 Valor

1         Louis Dreyfus Company                         Acima de US$ 100 milhões

2         Cargill Agrícola                                         Acima de US$ 100 milhões

3         Bunge Alimentos                                 Acima de US$ 100 milhões

4         BIOSEV                                                         Acima de US$ 100 milhões

5         Tetra Pak                                                 Entre US$ 50 e US$ 100 mi

6         COFCO Brasil                                         Entre US$ 50 e US$ 100 mi

7         Cargill Agrícola                                         Entre US$ 50 e US$ 100 mi

8         COFCO Internacional                                 Entre US$ 10 e US$ 50 mi

9         L.P Brasil OSB                                         Entre US$ 10 e US$ 50 mi

10         Crown Embalagens                                 Entre US$ 10 e US$ 50 mi

11         Makita Ferramentas                                 Entre US$ 10 e US$ 50 mi

12         Continental do Brasil                                 Entre US$ 10 e US$ 50 mi

13         Cervejarias Heineken                         Entre US$ 10 e US$ 50 mi

14         Meridional TCS                                         Entre US$ 10 e US$ 50 mi

15         Águia Sistemas de Armazenagem Entre US$ 5 e US$ 10 mi

16         Harima do Brasil                                 Entre US$ 5 e US$ 10 mi

17         Agrocete Fertilizantes                         Entre US$ 5 e US$ 10 mi

18         Geroma do Brasil                                 Entre US$ 1 e US$ 5 mi

19         Itaflor Máquinas Agrícolas                 Entre US$ 1 e US$ 5 mi

20         Masterfoods Brasil Alimentos         Entre US$ 1 e US$ 5 mi

PUBLICIDADE
MIX - 26/05/2018 02:24h

Remy tenta seduzir Karola

No capítulo 012, sábado, 26 de maio – Remy tenta seduzir Karola. Ícaro se interessa por Rosa. Luzia...

 
0
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização