menu

Ponta Grossa

‘Regime híbrido’ compromete finanças da Prefeitura de PG

Afonso Verner | Ponta Grossa | 19/05/2017 as 19:36h / Imagem: aRede

Ponta Grossa é uma das poucas cidades de médio porte no Paraná a manter o sistema CLT. Possível mudança divide representantes do Governo, Sindicato e Poder Judiciário

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) enfrenta atualmente cerca de 4,5 mil ações trabalhistas movidas por servidores municipais. A informação dá conta de que, em tese, 54,2% dos 8,3 mil funcionários do município movem ações contra o poder público – cerca de 90% dos processos são oriundos do não recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O cenário reacendeu um debate polêmico na cidade: a mudança do regime jurídico de contratação dos servidores.

Atualmente os servidores municipais são regidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) – o regime deixou de ser estatutário em maio de 1988 durante o governo do ex-prefeito Otto Cunha. Atualmente a Prefeitura gasta por mês R$ 1,8 milhão com o recolhimento do FGTS do funcionalismo e o prefeito Marcelo Rangel (PPS) tem apresentado, ainda informalmente, um debate sobre a mudança do regime CLT para estatutário. Com isso, os direitos trabalhistas dos servidores seriam ditados por uma lei municipal discutida e aprovada na Câmara de Vereadores e não mais pela CLT.

Na visão de Rangel, a mudança possibilitaria que o município se livrasse de uma “grande carga” tributária que é paga atualmente e potencializasse investimentos, além da valorização do próprio funcionalismo público, com planos de carreira e aumento real. Por outro lado, na visão do presidente do Sindicato dos Servidores, Leovanir Martins, tecnicamente a mudança não é benéfica nem para o Governo e nem para os servidores e traria poucos resultados efetivos ao caixa da Prefeitura.

O tema da mudança no regime veio novamente à tona depois que a administração enviou um projeto de lei (PL) para o Legislativo prevendo a renegociação em até 60 meses da dívida de R$ 25,9 milhões da Prefeitura em FGTS. Para o Governo, a dívida histórica herdada de outras administrações e que segue se acumulando nos últimos anos mostra a necessidade do debate, já para o Sindicato o débito representa “descontrole financeiro” por parte da gestão.

O quê

Consultado pela reportagem, o procurador-geral do município, Marcus Vinícius Freitas, apresentou dados sobre a dívida trabalhista da Prefeitura. Segundo Marcus, o município tem que pagar até o ano de 2020 uma dívida de R$ 111 milhões em precatórios, cerca de R$ 85 milhões fruto de ações trabalhistas, além das condenações que poderão ser efetivadas com os processos trabalhistas ainda em andamento.


Veja também

Ponta Grossa

Cotidiano

Campos Gerais

ARede Insana

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS LIDAS