aRede aRede aRede
aRede
Grávida ‘deu à luz’ após ter sido enterrada, revela estudo

Insana

28 de março de 2018 12:05

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Japão pede uma manhã de segunda-feira de folga

Rebanho de vacas ajuda polícia a prender fugitiva

Russo remove pênis por 'desgostar' do contraste de cor

Soldado coloca fogo nele mesmo como protesto
Homem tem sobrancelha queimada após acender cigarro
Cientistas no Canadá criam primeira cerveja de maconha
Estátua de Virgem Maria 'chora' azeite em igreja
Esqueleto de grávida foi encontrado em parque arqueológico em 2010/Foto: Reprodução World Neurosurgery/
PUBLICIDADE

A mulher teria vivido durante a Idade Média

Uma descoberta macabra na Itália chocou uma equipe de pesquisadores que analisava um campo arqueológico em Ímola, na Itália. De acordo com o Daily Mail, os estudiosos encontraram dois cadáveres bem conservados em 2010, sendo o de uma mulher grávida com os restos mortais de um feto entre as pernas.

Pesquisadores das Universidades de Ferrara e Bolonha relataram que o caso de “nascimento de caixão”, termo usado para quando um feto é expulso de uma grávida morta devido ao aumento da pressão de gás dentro do corpo em decomposição, ocorreu na Idade Média, há centenas de anos.

A descoberta

Os estudiosos explicam que, no momento do enterro, tanto a mãe, que tinha entre 25 e 35 anos, quanto a criança já estavam mortas. Entretanto, o bebê foi empurrado para fora do cadáver só depois.

As análises publicadas em fevereiro na revista World Neurosurgery ainda apontam que a mulher continha uma perfuração de 5 mm na cabeça, o que para eles indica que ela passou por uma neurocirurgia conhecida como trepanação, semana antes de falecer. 

“Esse tipo de procedimento foi muito usado para tratar doenças comuns na gravidez, como a eclampsia, série de convulsões que pode afetar as mulheres após a 20ª semana de gestação. Doenças hipertensivas também eram amenizadas e até mesmo curadas com esse método”, escreveram no estudo.

Os autores da pesquisa explanam que febre alta, cefalalgia frontal e hemorragia cerebral eram manifestações desses problemas, que provavelmente afetou a mulher medieval. Eles ainda asseguram que a perfuração estava cicatrizada, indicando que a cirurgia não foi a causadora da morte da mulher, grávida de 38 semanas.

"Ainda há vários pontos desconhecidos sobre a causa da morte da grávida, há muitas hipóteses diferentes. Ela pode ter morrido por problemas de saúde na gestação ou devido a complicações na hora do parto. De qualquer forma, encontrar um caso de nascimento de caixão e de trepanação é extremamente raro. Esperamos que esses estudos levantem ainda mais informações acerca da história clínica da neurocirurgia na Idade Média".

Informações Último Segundo

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização