aRede aRede aRede
aRede
Cobra engole cervo de 30kg na Indonésia

Insana

27 de março de 2018 12:17

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Estátua de Virgem Maria 'chora' azeite em igreja

‘Caçador de fantasmas’ é flagrado nu em portão de casa

Idosa de 92 anos mata filho para evitar de ir para asilo

Homem ganha na loteria três vezes em menos de um mês
Mulher fica com cabeça presa em escapamento de carro
Homem ganha quatro vezes na loteria em menos de dois meses
Selfie com cobra quase acaba em tragédia na Índia
Após a refeição a cobra só se alimentará daqui 12 meses/Foto: Reprodução Mirror/
PUBLICIDADE

A Píton de 10 metros de comprimento não comia há 1 ano

A espécie Píton-reticulada é conhecida como a maior do mundo, e recentemente, uma cobra desta linhagem foi filmada em uma cena surpreendente. De acordo com o portal britânico Mirror, as imagens mostram o réptil engolindo um cervo por inteiro, uma refeição equivalente a garantia de nutrição por todo um ano.

O vídeo foi gravado na Indonésia e mostra a cobra, que tem quase 10 metros de comprimento e pode ter a mesma largura que um humano, caçando após passar 12 meses sem se alimentar. Capaz de engolir um crocodilo de uma vez só, a serpente se camufla no ambiente e consegue se aproximar do cervo, que pesava cerca de 30 kg, e usa os dentes para atacá-lo.

O réptil se enrola ao redor do corpo do animal, o mata por sufocamento e, enfim, engole o mamífero. A captura deste cervo significa que, agora, ela só precisará se alimentar novamente daqui um ano, já que os nutrientes providos pela mais recente caça são o suficiente para mantê-la vida e alimentada durante o período completo de 12 meses.

Impressionante caça de serpente 

Em outro caso que envolveu uma serpente caçando um cervo, uma píton birmanesa foi flagrada devorando um animal cujo peso ultrapassava o do próprio réptil. De acordo com nota do Centro de Conservação do Sudoeste da Flórida, a situação pode ser usada para compreender o impacto de tal espécie no ecossistema de Greater Everglades, no sul do estado.

Os pesquisadores do Centro acreditam que a píton birmanesa esteja causando uma influência invasiva e negativa aos animais da região. Segundo o biólogo Ian Bartoszek, “imagine as consequência potenciais para o estado e a área federal protegida de panteras na Flórida se os animais afetarem o número de veados-de-cauda-branca, a principal presa das panteras”.

O Centro de Preservação está envolvido em um projeto que tenta compreender os comportamentos reprodutivo e alimentar da espécie, o que deve ajudar na busca por soluções para controlar as serpentes. Em 2015, por exemplo, o grupo localizou uma cobra píton com mais de três metros, que, após ser capturada, regurgitou um filhote de cervo que pesava mais do que a própria serpente.

Informações Último Segundo

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização