aRede aRede aRede
aRede
Mulher transgênero "se transforma em réptil"

Insana

28 de fevereiro de 2018 10:25

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Russo remove pênis por 'desgostar' do contraste de cor

Soldado coloca fogo nele mesmo como protesto

Homem tem sobrancelha queimada após acender cigarro

Cientistas no Canadá criam primeira cerveja de maconha
Estátua de Virgem Maria 'chora' azeite em igreja
‘Caçador de fantasmas’ é flagrado nu em portão de casa
Idosa de 92 anos mata filho para evitar de ir para asilo
Mulher réptil transgênero posa com suas tatuagens, piercings e de peruca/Foto: Reprodução Instagram/tiamatdragonlady/
PUBLICIDADE

Hoje, a mulher réptil transgênero dedica-se a dar voz a pessoas trans e portadores do vírus HIV

Entre tantas histórias de pessoas transgênero e pessoas diagnosticadas com HIV, a de Eva Tiamat Medusa se destaca. Eva, com certeza, é uma mulher peculiar. Ela não só decidiu transformar seu corpo para o de uma mulher como também para o de um réptil após ter sido diagnosticada com a doença sexualmente transmissível.

A “mulher dragão”, do Texas, nos Estados Unidos, afirma ser a transgênero mais “modificada” do mundo, já tendo gastado mais de 60 mil dólares (quase 200 mil reais) em transformação, segundo o Daily Mail. Hoje, após inúmeras cirurgias e tatuagens por todo o seu corpo e com 56 anos de idade, ela ainda planeja investir mais 40 mil dólares (cerca de 130 mil reais) em procedimentos.

A história de Eva

Em 1997, Eva vivia como um homem gay, chamado Richard Hernandez, e era vice-presidente de um dos maiores bancos dos Estados Unidos, mas o diagnóstico de HIV mudou completamente sua vida. Achando que não resistiria, ela decidiu que não queria morrer como humanos, que, comparados a outras espécies de seres vivos, são os mais destrutivos e odiosos, segundo a mesma.

Há cerca de três anos, após abandonar o mundo corporativo, começou a se transformar em um réptil. Ela conta que foi abandonada aos cinco anos, quando "renasceu e passou a ser criada por uma cascavel".

Além das tatuagens em escala, as cirurgias pelas quais ela passou foram a remodelação de nariz (rinoplastia), remoção de orelhas, coloração verde no branco dos olhos, adição de oito chifres na cabeça, bifurcação da língua e escarificação de cortes no peito e no pulso.

Em reportagem do “The Wizard of Odd TV”, Eva falou sobre seu conceito de “trans-espécie”, que trata sobre a ideia de não se identificar com sua espécie. Ela se considera humana e réptil e acredita que existe um grande mal-entendido das pessoas sobre as duas questões trans.

“Minha transformação é a maior jornada da minha vida. Essa é a razão para eu acordar todo o dia”, afirma. Hoje, a mulher réptil transgênero dedica-se a dar voz a pessoas trans e portadores do vírus HIV.

Informações iG

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização