aRede aRede aRede
aRede
Estrutura em vidro ganha força na construção civil

Cotidiano

21 de julho de 2018 21:33

Rodrigo de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Temer mantém emenda que reajusta educação pela inflação

Universidades terão incentivo para controlar obesidade

Termina hoje prazo para registro de candidaturas

Crédito do 3º lote de restituição será feito nesta quarta
Mortos em desabamento de viaduto em Gênova já são 37
MP solicita modificações em edital de concurso da PM
Aliel faz prestação de contas aos municípios paranaenses
/Foto: André Nazareth/Divulgação
PUBLICIDADE

Possibilidade do uso de lâminas de maiores dimensões confere ao vidro um verdadeiro protagonismo na arquitetura contemporânea. 

O vidro faz parte da vida em sociedade há, pelo menos, seis mil anos. No início, o material era utilizado para fabricar pequenos objetos decorativos e coloridos e, muito depois, ainda na antiguidade, começou a ser aproveitado, cotidianamente, para produzir objetos utilitários e de design, sendo que muitos destes alcançaram um grande requinte visual e técnico.

Ao longo dos séculos, o vidro plano (em lâmina) foi sendo gradativamente adotado na construção civil por ser transparente e estável. Via-se ali uma oportunidade de trazer luz para dentro dos ambientes, sem que fosse necessário abrir as janelas. O ponto alto talvez tenha sido sua utilização nas catedrais góticas, onde pequenos pedaços de vidros coloridos formavam vitrais que, iluminados pela contraluz contavam histórias que encantavam a todos visualmente.

Com a chegada do século XX, técnicas de fabricação mais apuradas trouxeram vidros planos mais uniformes, mais transparentes e até mesmo decorados e eles passaram a desempenhar o papel de protagonistas da arquitetura, trazendo inúmeras possibilidades estéticas. O chamado “Estilo Internacional”, que teve como um de seus expoentes o arquiteto alemão Mies Van Der Rohe, espalhou pelo mundo os prédios envidraçados que o modernismo explorou em todas suas possibilidades.

A possibilidade do uso de lâminas de maiores dimensões, aliada à disponibilidade de esquadrias mais modernas, cada vez mais delgadas e discretas, confere ao vidro um verdadeiro protagonismo na arquitetura contemporânea. 

De acordo com o arquiteto Afonso Walace, a importância do vidro para empreendimentos está em sua versatilidade, maneabilidade e capacidade de atender aos mais variados requisitos. “Um mesmo material é capaz de atender a várias demandas contemporâneas – da necessidade de se privilegiar a iluminação natural, à capacidade de resguardar a temperatura interna, com reflexos econômicos no uso de ar-condicionado. Isto para não falar na segurança dos usuários e na facilidade e economia de manutenção ao longo da vida útil do empreendimento”, descreve Afonso.

Outra vantagem do uso do vidro em edifícios contemporâneos tem a ver com a industrialização da construção, algo que ainda está engatinhando no Brasil. Segundo Afonso, a fachada do edifício Concórdia, em Nova Lima (MG), por exemplo, foi pré-montada em fábrica, em módulos de esquadrias que chegavam prontos à obra, com os vidros laminados já montados. Depois, os módulos eram içados e montados diretamente na estrutura metálica do edifício. “A velocidade construtiva que as novas tecnologias relacionadas ao vidro permitem é impressionante. Tudo isso impacta positivamente na qualidade do acabamento, nos custos da obra e no prazo de entrega”, afirma.

Material atende a questão construtiva e técnica da obra

O arquiteto sustenta que as vantagens plásticas do uso do vidro na arquitetura só fazem sentido porque em sua versão moderna, o material atende, primeiramente, a questões construtivas e também às questões técnicas relacionadas ao conforto ambiental e à sustentabilidade. Não obstante, a plasticidade do vidro é uma característica muito importante. “A arquitetura tem tanto um papel funcional quanto o de agregar valor estético aos locais onde está inserida”, encerra Afonso Walace.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização