aRede aRede aRede
aRede
Para Temer, intervenção no Rio pode terminar já em setembro

Cotidiano

14 de março de 2018 12:17

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Campanha de vacinação contra a gripe termina hoje

Paraná é o 3° Estado que mais gerou empregos no país

Petrobras perde ação trabalhista de R$ 15 bilhões

Morre Koko, a gorila que falava por de linguagem de sinais
Funcionários de brechó acham R$ 136 mil doados 'por engano'
Supermercados contribuem para pobreza rural, diz estudo
Governo lança post repudiando o assédio
hipótese aventada por Temer, contudo, é altamente improvável./Foto: Reprodução Reuters/
PUBLICIDADE

O ministro da Segurança Pública, diz que “não é bem assim”

O decreto da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro proposto e assinado por Michel Temer (MDB) prevê a permanência do exército nas ruas do estado até o dia 31 de dezembro. O presidente, contudo, manifestou otimismo em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo: para ele, em setembro a situação na capital fluminense pode estar já pacificada, de forma que o decreto e o exército não serão mais necessários.

Terminada a vigência do decreto, o presidente aposta as fichas na retomada da discussão sobre a reforma da previdência. Nesse caso, ela seria votada na Câmara ainda em setembro.

A hipótese aventada por Temer, contudo, é altamente improvável. Isso porque a principal resistência dos deputados em relação à reforma, mais do que seu conteúdo objetivo, é o ‘timing’ da votação: ninguém quer discutir cortes nas aposentadorias em ano eleitoral, pois isso poderia prejudicar o desempenho dos políticos nas urnas.

Alheio ao pragmatismo eleitoral dos membros da Câmara, o presidente afirma acreditar no contrário. “Se até setembro as coisas se tranquilizarem no Rio, podemos aprovar a reforma da previdência”, assegurou.

Ministro da Segurança discorda

Para Raul Jungmann (PPS), ministro da Segurança Pública, nova pasta criada por Temer em fevereiro, não é bem assim. O ministro afirmou, em entrevista ao portal Poder360, que “haverá um clamor da sociedade para que seja a mantida a intervenção” no Rio inclusive em 2019, depois do fim da vigência do decreto.

 “O que vocês queriam? Que nada fosse feito? Era necessário tomar as medidas que foram tomadas”, defendeu Jungmann.

O ministro reconheceu, no entanto, que não é saudável que o exército exerça as funções da polícia. “Experimente colocar um enfermeiro no lugar de um médico”, comparou.

Ele previu, ainda, que o presidente e os governadores eleitos em outubro terão de se reunir para acertar uma forma de estender a duração do decreto.

Jungmann também disse acreditar que a pasta de Segurança Pública será mantida em 2019, seja quem for eleito. “Ninguém passa a borracha nesse ministério”, afirmou.

Informações Último Segundo

PUBLICIDADE
MIX - 22/06/2018 02:07h

Beto se comove com Karola

No capítulo 035, sexta-feira, 22 de junho – Luzia afirma que precisa afastar Laureta de Ícaro. Vale...

 
0
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização