Família faz ‘vaquinha’ para levar vítima de arrastão para Paraíba

Cotidiano

13 de fevereiro de 2018 07:32

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Inscritos no Enem já podem checar local de provas

Com crítica política, filme brasileiro é destaque

“Falta de leitura favorece notícias falsas”, diz CBL

Estudantes podem confirmar amanhã inscrição do Enem
Sem acertadores, Mega-Sena acumula em R$ 18 milhões
TSE prepara anúncio de combate às fake news
Governadora lamenta morte de Cezar Silvestri
Foto: Imagem: Divulgação
PUBLICIDADE

O corpo do passageiro baleado durante um arrastão contra ônibus foi liberado pelo Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba no começo da tarde desta segunda-feira (12). De acordo com amigos, a família de Joseildo Marcelino de Sousa, de 37 anos, é bastante humilde e foi necessária uma vaquinha para o transporte do corpo até o interior da Paraíba. Ele foi baleado na noite da última quinta-feira (8), durante um arrastão na linha Rurbana/Pompéia, no bairro Tatuquara. As informações são da Rádio Banda B.

Amigo da vítima, Fabiano Varela contou que Joseildo morava há alguns anos em Curitiba e trabalhava com processamento de coco. “É complicado, ele era trabalhador e batalhava muito para pagar o aluguel. Não bebia e não fumava e é triste saber que alguém teve coragem de atirar para matar dessa forma”, lamentou.

Segundo Varela, os amigos contribuíram com o quanto puderam para o transporte. “Foi R$ 20, R$ 50, todo mundo ajudou como pôde”, disse.

O corpo deve ser transportado até Fortaleza, capital do Ceará, ainda nesta segunda. Logo após, a família já conseguiu uma funerária para o local do velório, a cidade de Sousa, no interior da Paraíba. Joseildo morreu no fim da tarde de sábado (10) no Hospital do Trabalhador.

Investigação

Os suspeitos que cometeram o crime, um jovem de 19 anos e um adolescente, foram detidos pela Delegacia de Furtos e Roubos. Preso no sábado, o jovem Andrey Lobo confessou para a polícia que atirou contra Joseildo, justificando a reação dele como a motivação. “Atirei só mesmo porque ele reagiu. Eu fiquei sabendo que ele está na UTI na Banda B, pelo jornal”, afirmou, antes de saber da morte da vítima.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede