CimSaúde capacita municípios sobre Redes de Atenção

Campos Gerais

11 de outubro de 2018 15:00

João Vitor Rezende

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

PRF recupera carreta com carga de frango

Rapaz tenta separar briga e leva facadas nas costas

Engie pede licença ao IAP para obras de R$ 2 bi

Sicredi Campos Gerais libera R$ 1 bi em empréstimos
Ladrões capotam carro roubado e fogem da polícia
Evento destaca a participação feminina no cooperativismo
Tibagi recebe Mototran neste sábado
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Região dos Campos Gerais tem atenção voltada aos sistemas públicos de saúde

O Consórcio Intermunicipal de Saúde dos Campos Gerais (CimSaúde) segue realizando capacitações nos municípios consorciados sobre as Redes de Atenção Integral à Saúde. “No CimSaúde são cinco as Redes em atividades, e para que os pacientes possam contar com seus benefícios, o pessoal que atua nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) devem fazer o encaminhamento correto”, explica a diretora executiva do Consórcio Pâmela Costa.

As capacitações ocorrem nas Unidades que já estão aptas a realizar os encaminhamentos, ou seja, aquelas que já estão passando por um processo de tutoria para receber as certificações. “As Redes são para públicos específicos, e para que eles usufruam as Unidades devem contar com o público já estratificado”, conta a diretora, completando que o selo - que as UBS’s recebem após estratificação - dependem da estrutura e organização do processo de trabalho de suas equipes. “O Consórcio está pronto para atendimento, mas dependemos de comunicação com o paciente que está na ponta do processo”, fala.

Por isto, a diretora destaca a importância das capacitações. “O pessoal das unidades de saúde são os multiplicadores da informação”, diz, destacando ainda a comunicação entre os entes, Unidades de Saúde, Consórcios e pacientes. 

Além da diretora executiva, enfermeira e assistente social do Consórcio participam das conversas com as equipes de saúde básica. A assistente social Thais ressalta a importância de solicitar encaminhamentos para os pacientes, tanto para dar continuidade nos tratamentos, quanto para apresentar as demandas para o Estado, ‘responsável’ pela atenção secundária da saúde. Além disso, Thaís solicitou aos agentes das UBS’s a atenção junto ao paciente como um todo. “Se percebemos algumas situações críticas, como uma violência contra mulher, ou falta de saneamento em alguma residência, temos que relatar. Estas são situações que, muitas vezes avaliamos como alheia ao nosso trabalho, mas que futuramente traz consequências para a saúde dos indivíduos”, avalia.

Com informações da Assessoria

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede