Produção de soja deve crescer na região e trazer mais rentabilidade

Agronegócio

08 de outubro de 2018 22:05

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Produção Agropecuária somará R$ 574,25 bilhões

Solução para ferrugem asiática é revelada em Carambeí

Embrapa desenvolve fertilizante orgânico nitrogenado

Exportações do agro deverão somar US$ 100 bi
Show Tecnológico de Inverno mostra inovações em PG
Conab projeta produção recorde de grãos nesta safra
Produção de soja deve crescer na região e trazer mais rentabilidade
Foto: Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Produtores rurais dos Campos Gerais já iniciam o plantio de soja para a safra 2018/2019. Já com a projeção de haver a maior área ocupada da história com esse cultivo na região, com 575,7 mil hectares, também há a expectativa de que haja a maior colheita da história desse grão. O que deixa os produtores rurais mais otimistas, contudo é o preço do grão: na comparação com o ano passado, está 40% mais caro, o que ampliará o rendimento aos agricultores. Se na safra passada o valor da saca de 60 kg chegou na casa dos R$ 58, neste ano já supera os R$ 80, chegando a R$ 82, em média, no início do mês em Ponta Grossa.

De acordo com informações reveladas pelo Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento, a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos é um dos principais fatores de influência nos preços; a alta do dólar também impacta nessa conta. Em todo o Paraná, a estimativa de produção é de 19,6 milhões de toneladas, um aumento de 2% com relação ao mesmo período do ano passado. A área plantada deverá ser de 5,4 milhões de hectares. Aproximadamente 15% da produção está comercializada, número que atende à média dos últimos três anos. 

No momento, a soja paranaense está com o plantio adiantado, com cerca de 18% da área semeada. No mesmo período do ano passado, a seca havia prejudicado esse índice, que atingiu somente 2%. Os produtores estão plantando mais cedo com a intenção de adiantar também o plantio do milho na segunda safra, e assim escapar das geadas nos meses seguintes. “Se o clima colaborar, teremos o desenvolvimento normal do plantio até o final do ano”, disse o chefe do Deral, Marcelo Garrido.

E não é apenas a soja que registra bons preços aos produtores. O milho também está com valor mais alto, com percentual de valorização ainda maior que o da soja, superior a 50%. No começo do mês em Ponta Grossa, era vendido a R$ 34, valor 70% maior que no mesmo período do ano passado, quando o preço pago foi de R$ 20,00, em média. Até em função disso, a área teve uma variação positiva de 6% na comparação com a safra anterior no Paraná, passando de 331 mil hectares para 352 mil hectares, segundo o técnico do Deral responsável pela cultura, Edmar Gervásio. Nos Campos Gerais, essa evolução foi de quase 16%, de 57,2 mil hectares para 66 mil hectares. 

Para o trigo, principal cultivo de inverno na região, a estimativa é de que sejam produzidas 2,9 milhões de toneladas. Por causa da seca, o trigo teve 15% de redução na produção em relação a expectativa inicial.


Área plantada de feijão tem queda de 20% na região 

No fim do mês de setembro, o Paraná tinha 55 % da área já plantada de feijão. Cerca de 95% da safra está em boas condições, e outros 5% registram condições medianas. A área dessa cultura reduziu 13% no período, e a expectativa de produção é de 334 mil toneladas. O preço recebido do feijão tipo cores subiu cerca de 10% entre os meses de agosto e setembro e chegou a R$ 95,06 a saca de 60 kgs. O feijão preto foi cotado a R$ 116 a saca e teve aumento de 4% no valor recebido pelo produtor, segundo o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Alberto Salvador. 

Em Ponta Grossa, no início de outubro, esses preços médios eram de R$ 110 e R$ 120, respectivamente. Ainda assim, uma quantidade menor de produtores rurais optaram pelo feijão nessa primeira safra, ou ‘feijão das águas’: baixa de 20% na área plantada de 49,1 mil hectares para 34,5 mil hectares.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede