aRede aRede aRede
aRede
Região concentra nove gigantes do agronegócio

Agronegócio

11 de julho de 2018 20:28

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Capal celebra 58 anos com novos investimentos

Fundação ABC realiza Show Tecnológico em outubro

Produtores estimam safra recorde de soja na região

Municípios da região lideram na geração de riquezas na agricultura
Capal investe R$ 38 mi para aumentar capacidade de armazenagem
Efapi terá negócios, shows e prevê público superior a 180 mil pessoas
Preservar a natureza custa R$ 20 bi por ano aos produtores
/Foto: Divulgação Frísia
PUBLICIDADE

A região dos Campos Gerais sedia ou possui unidades de nove das 50 maiores empresas do agronegócio nacional. Três delas são cooperativas: Capal, Castrolanda e Frísia, todas fundadas em municípios da região. Já entre as outras, a grande maioria multinacionais, algumas têm mais de uma unidade, em Ponta Grossa e em outras cidades próximas. A lista é da edição brasileira de uma das mais renomadas publicações do mundo, a Revista Forbes. 

Algumas empresas (onze delas) não revelaram a sua receita bruta para a publicação, portanto é impossível trazer um ranking de qual é a maior. Contudo, entre as que revelaram a Raízen aparece no topo, com um valor de R$ 79,2 bilhões. Das que aparecem logo na sequência, ambas tem mais de uma planta industrial nos Campos Gerais, a BRF, cuja receita somou R$ 33,4 bilhões, e a Cargill, com um montante de R$ 33 bilhões em 2016. 

A BRF possui duas unidades, uma em Ponta Grossa, onde faz alimentos industrializados, como lasanhas, pizzas, sobremesas, entre outros, e outra em Carambeí, onde faz o processamento de frangos. Já da Cargill são três: uma moageira em Ponta Grossa, e uma fabricante de óleos industriais (a SGS Agricultura e Indústria, adquirida em 2016), também de Ponta Grossa. A outra é uma biorrefinaria, que utiliza milho, instalada no município de Castro. 

A Yara Fertilizantes é outra empresa na casa dos dois dígitos, com um faturamento de R$ 10,3 bilhões, com uma unidade na cidade de Ponta Grossa, nas proximidades do viaduto do Vendrami. Já a Klabin, listada com um faturamento de R$ 2,73 bilhões, possui a unidade Monte Alegre, em Telêmaco Borba, onde fabrica papel, e a de Ortigueira, onde foi instalada a Unidade Puma, que recebeu um investimento de R$ 8,5 bilhões para a produção de celulose.

Duas que também estão na região não divulgaram os valores. Entre elas está a Bunge, que tem uma moageira e um moinho de trigo na cidade de Ponta Grossa, enquanto que a Louis Dreyfus possui seu complexo de moagem de soja na cidade. Todas as unidades das multinacionais ficam às margens da BR-376.


Paraná mostra a grande força do cooperativismo

O Cooperativismo mostrou sua força no ranking. Entre as 50 empresas, 11 são cooperativas do Paraná. A maior delas, a Coamo. Entre as presentes na região dos Campos Gerais, a maior é a Castrolanda, de Castro, cujo valor da receita bruta em 2016 somou R$ 2,83 bilhões, o mesmo valor de outra cooperativa do Estado, a Frimesa. A Frísia, sediada em Carambeí, apareceu na sequência, a segunda principal, na casa de R$ 2,4 bilhões. Já a Capal apareceu na última colocação, com um valor de R$ 1,2 bilhão. As três cooperativas da região compõem a Unium, marca institucional que acompanhará todos os produtos comercializados no varejo e atacado pela intercooperação, seja na região ou até mesmo fora do Paraná.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização