aRede aRede aRede
aRede
La Niña perde força e agricultura terá inverno ‘normal’

Agronegócio

24 de junho de 2018 19:34

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Contratação do crédito agropecuário aumentou 13%

Grave acidente envolve oito veículos na BR-277

Leite lidera geração de riquezas em Castro e Carambeí

Arapoti sedia tradicional feira de pecuária leiteira
Região concentra nove gigantes do agronegócio
Iapar confirma nova doença em lavouras de milho no Estado
Soja gera quase R$ 2,9 bi em riquezas na região
/Foto: Divulgação AEN
PUBLICIDADE

Com o enfraquecimento, desde abril, do fenômeno La Niña - caracterizado pela temperatura abaixo da média nas águas do Oceano Pacífico Equatorial -, a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para o inverno, que começou na última quinta-feira (21), é de que prevalecerão no período condições de normalidade próprias da estação.

De acordo com relatório do instituto, há indicativo de possível fenômeno El Niño (aquecimento das águas do oceano) a partir, somente do fim da primavera e início do verão, o que ainda precisa ser confirmado nas próximas previsões. Outra observação do Inmet é de que fatores, como a temperatura na superfície do oceano Atlântico Tropical e na área oceânica próxima à costa do Uruguai e da Região Sul, poderão influenciar o regime de chuvas no Brasil.

Na região Sul, o prognóstico indica chuvas abaixo da média em grande parte da Região Sul, com exceção do extremo sul do Rio Grande do Sul, onde a tendência é de ocorrer precipitação ligeiramente acima do padrão. A maior frequência das frentes frias contribuirá para maiores variações nas temperaturas ao longo deste trimestre, porém as temperaturas médias devem permanecer de normal a acima da normal climatológica no Paraná, oeste de Santa Catarina e norte do Rio Grande do Sul.

Já na região Centro-Oeste, no inverno há alta probabilidade das chuvas ocorrerem de normal a ligeiramente abaixo do normal em grande parte da região, com temperaturas médias acima da normal climatológica, devido à permanência de massa de ar seco e quente, principalmente nos meses de agosto e setembro, favorecendo a ocorrência de queimadas e de incêndios florestais.


As informações são do MAPA

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização